segunda-feira, 22 de novembro de 2010

39 - CÓLICA MENSTRUAL


Certa feita, eu tinha uns 24 ou 25 anos, eu saí da agência e fui pra casa da minha namorada na época. Era a primeira vez que ela tava morando sozinha sozinha mesmo, dividia antes uma casa com a irmã. Era a minha primeira namorada e eu tava felizão de namorar alguém que era independente, morava sozinha, dava pra ficar na casa dela alguns dias style casadinhos e tal, era uma curtição. A casa dela ficava abaixo da locadora em que ela trabalhava, ela saía por volta das 22:00 e eu tinha chegado lá por volta de 20:00, por aí. Como ela tinha acabado de se mudar, tinha alguma arrumação pra fazer e assim fiquei, colocando algumas coisas no lugar, bebericando um vinho, ouvindo um som e petiscando uma coisinha qualquer. Um pouco antes dela chegar, tomei aquele banho, dei aquela perfumada, e fiquei lá cheirosão esperando por ela. Quando ela chegou, tava pálida-esverdeada, com lágrimas nos olhos e a mão no ventre se contorcendo toda e eu “caralho, que foi, que foi???”, achando que tinha acontecido alguma coisa na locadora e me preparando pra subir lá e quebrar aquela porra toda!

– CÓÓÓÓÓÓÓÓLICAAAAAAAA! TÁ DOENDO PRA CARALHO LUUU, PUTAQUEUPARIU!!!

Notem: ela tinha cólica antes, eu sabia que a parada era dolorida, mas eu sabia por telefone! Eu ligava, dizia “oi Lu, beleza, tô indo praí...” e ela “meu, nem vem que eu tô com uma cólica fodida, vou tomar um remédio e dormir." Até rolava um “poxa, mas não quer que eu vá mesmo, ficar aí com você até você dormir...?” e ela “não não, relaxa, até você chegar eu já capotei...” e ficava por isso mesmo.
(Um aparte: pra quem não sabe, meu nome na real é Luiz, e ela se chamava Luciana, então era Lu pra lá, Lu pra cá, e por aí vai)
Bom, o lance é que ali era a cólica estridente e excruciante na cara daquele molecão que não tinha a menor idéia de que porra era aquela, ao vivo mesmo ali no xenhenhém. A abracei e a levei até a cama pensando “que que eu faço que que eu faço que que eu faço” e ela chorava e agonizava e apertava a minha mão que quase arrancava e eu olhava aquilo tudo e pensava “fodeu que que eu faço Jesus me salva”, e ela apertava minha mão e colocava a mão na cabeça e gemia e se contorcia e passava a mão na barriga e eu falava “vou chamar uma ambulância!!!” e ela ria e chorava ao mesmo tempo e falava “porra mas vai chamar a ambulância todo mês agora hahahahahahaaaaAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHH QUE DOOOORRRRR!!!” e eu “CADÊ O REMÉDIO CADÊ O REMÉDIO???” e ela “TÁ ALI NA CAIXINHA TÁ ALI NA CAIXINHA” fui lá, peguei logo uns dez, dei pra ela, ela tomou um só (graças a Deus) e a dor não passava e ela passava as mãos nas coxas e eu massageava as coxas dela e ela passava as mãos nas costas e eu massageava as costas dela e aí ela se contorcia de dor “UUUUGGHHHHH” e eu me contorcia junto com ela “UUUUGGGGHHHHHH” e ela “ARRRGGGGGHHHHH” e eu “AAAARRRRRGGGGG” junto, e aí parava um pouco e eu respirava, ela respirava, aí voltava “AAAARRRRGGGHHH” e eu junto “ARRGGGHHHHH”, e ficamos nisso por umas duas horas mais ou menos. Ela gemia, eu gemia junto, ela se contorcia, e eu me contorcia junto, ela massageava as pernas e eu massageava as costas e ela contraía e eu contraía junto, até que o remédio fez efeito e ela dormiu, e eu capotei ao lado dela, completamente exaurido.

Passou, amanheceu, eu fui até a padaria, comprei pães, frios, café, leite, chocolate, frutas na banca do lado, bolo, requeijão, suco, comprei tudo, pensava “sei lá o que uma mulher come depois de uma porra dessa, vou levar tudo” e assim fiz. Preparei tudo, comemos, ela tava de boa, eu também fiquei de boa, ela não falou nada, eu também não falei nada, não tocamos no assunto, eu fui só seguindo o flow. Me despedi muito carinhosamente, subi na moto e toquei pra agência de novo.

Chegando lá, cumpri com meu ritual de atualizar o timesheet logo pela manhã, abri o Photoshop, Illustrator, QuarkXPress (na época ainda não tinha Indesign), coloquei o fone, botei um jazz provavelmente (na época eu tava começando a ouvir jazz) e fiquei lá esperando a horda de diretores de arte bárbaros me pedirem imagens pra escanear, leiautar e tal, eu era assistente de arte na época. Foi aí que aconteceu o impensável.

Eu tava sentadão daquele jeito bem relaxado que a gente senta, na ponta da cadeira com os pés beeeem lá embaixo da mesa e as costas apoiadas no encosto, quase deitado. Fui me levantar pra pegar um café, acho, e daí AAAARRRRRGHHHHHH!!!!! pensei “CARALHO, EU TÔ VIRANDO UM LOBISOMEM, QUE PORRA É ESSA???” bicho, a cólica tinha passado pra mim! E eu me contorcia e pensava “mas como pode uma merda dessaaaaaaaAAAAAAAAHHHHHHHHHH!!!!” e doía a virilha e descia pras coxas, e eu massageava as coxas e doía as costas e eu passava as mãos nas costas e doía a barriga e daí eu “que que eu faço que que eu faço”, corri pro banheiro e deitei no chão de costas e fiquei que nem ela, balançando as pernas com as mãos embaixo das costas, meio elevado, e a dor ia e vinha e ia e vinha forte pra caralho, e eu me contorcia todo “uuuuugggghhhhhh” e pensava “tenho que tomar aquele remédio, que remédio será que era, que remédio era. Ligar pra Lu não vou, vergonha, vou ver no Google.” Esperei um intervalo no ciclo da dor e corri pro computador, tinha que segurar a onda porque naquela hora já tinham chegado algumas pessoas na criação. Digitei lá “remédio pra cólica menstrual”, apareceu lá “...blábláblá anticoncepcional normalmente funciona” e eu “puuuta, mas aí fodeu, vou ter que tomar anticoncepcional???” e depois “...ahh eu sempre tomo Ponstan e melhora na hora”, uma minazinha num fórum qualquer e eu “é esse! Tenho que tomar Ponstan, vou na farmácia”, e a dor voltando até que quando eu tava no elevador eu consegui pensar “PORRA, MAS ISSO NÃO FAZ SENTIDO, VOCÊ NÃO VAI MENSTRUAR IDIOTA! NÃO TEM NADA A VER TOMAR PONSTAN” mas fui assim mesmo. Cheguei lá na maior dismenorréia, com a mão na barriga e com a cor já meio pálido-esverdeado também. Fui até ao balcão, olhei pra cara da balconista (deveria haver uma farmácia só pra homens, com atendimento masculino só, #ficadica), olhei pra cara dela e pensei “E agora? Vai Tim, fala! Fala pra ela que você tá com cólica menstrual, fala.” Coloquei uma mão no balcão, a outra meio que massageando o ventre de leve e falei “Seguinte: sei lá o que eu tenho. Eu tava na minha, acabei de chegar no trabalho, fui me levantar da cadeira e começou a doer tudo aqui nessa região” e mostrei a região com movimentos circulares da mão. E ela “Hmmm... gazes?” e eu pensando “putaqueupariu, que constrangimento...”, falei “creio que não... não comi nada que pudesse dar gazes agora pela manhã...”, e ela “mas como é a dor?” e eu “é assim, dói aqui perto da virilha, desce pras coxas, dói as costas, e a dor fica indo e voltando...” e ela “Nossa!! Igualzinho quando eu tenho cólica, hahahahahahaha! Pena que você não pode tomar Ponstan e nem anticoncepcional, né??? Hahaha!” e eu olhando pra cara dela pensando “filhadaputa, ainda bem que a tpm já passou” só falei “pois é, pois é...” e ela “olha, como você disse que foi levantar, sei lá, leva esse relaxante muscular, de repente alivia, mas vai no médico, isso não é normal.” Agradeci, paguei, peguei e ralei dali. Fui tomando o remédio pelo caminho, tomei 2 de uma vez.

E passou. Tanx God, passou.

Voltei pro trabalho, falei que não tava me sentindo muito bem, fui pra casa, tomei um calmante e capotei, tomando o cuidado de forrar a cama com mais de um lençol, vai que. Ia enfiar um O.B. onde?

No seu. Enfia no seu.


*****************

(DEDICO ESSE TEXTO PRO MONTEIRO E PRA KARINA, QUE TANTO GOSTAM E APÓIAM. LOVE YOU GUYS, CASAL LINDO)

5 comentários:

ana choueri disse...

Hahahahahahaha. Só sensacional!

Baggini disse...

SENSASIONAL, praticamente senti a cólica junto....

The Gray disse...

épico post tio.

Luke.

Anônimo disse...

Hummm... por onde será qu eu começo?

Sweet Toxicant disse...

HAHAHAHAHA!!!

Tim, essa foi ótima! Já disse que sua forma de escrever é tão expressiva, que eu consigo ver toda a cena?

Cólica menstrual é horrível mesmo, passo por isso sempre. Mas tirei uma folga disso por 9 meses kkkkkk!!

Beijão, querido! Saudades de te ler.