sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

9. 117kg - VOU DE TÁXI, CÊ SABE....


Não aguento mais andar de Corsa. É sério, tô ficando puto já, toda vez que vou pegar um táxi, pá!, cola um corsinha.
É impressionante, e não tem jeito, posso deixar passar dois, três, começo a me atrasar, fico em cima do horário pra qualquer coisa, só pra ver se vem outro, e não rola, passa um, dois, cinco, 8 corsas, um atrás do outro. Daí quando desencano, que passa o décimo corsinha e eu resolvo ir nele mesmo, é só eu entrar, VRUUÓÓÓÓÓÓMMM, passa um Vectrão desses novos, 4.0, sei lá, espaçoso pra caralho, e eu vou resignado no corsinha, pra alegria do taxista sorridente. Aliás, esses Vectras novos nem fazem VRUUÓÓÓÓÓÓMMM, fazem outra coisa, tipo FFFFSSSSSSSS, o bicho vai que vai sibilando que nem vento, no gás! O foda dos corsas é que como é um sedanzinho barato, com um porta-mala razoável, todo mundo comprou pra táxi, e agora, passado já alguns anos, tão todos castigados pelos buracos, asfalto ferrado, mais de não-sei-quanto mil quilômetros rodados, cansaaaaaados... e dá merda, eu entro no táxi, começa a dar merda. Ou o carro ferve, ou a marcha arranha pra caralho, ou o carro não anda sei lá porque, ou a porta não fecha direito... e não há meios, não adianta ir pro ponto pra pegar um carrinho melhor, porque quando eu chego lá, tem cinco na fila. Ou então eu tô atrasado pra caramba, chego no ponto e tá lá um Astra, uma Weekend, um Vectra, eu falo FIRMEZA, mas o carro que vai sair na hora é o maltido corsinha que tava parado do lado, trocando o pneu. É a pegadinha do corsinha, caio em todas, os caras deixam uns putas carros lá, quando eu chego, é tudo cenário, tudo papelão, sai um corsinha de trás com um motorista com um sorriso de orelha à orelha, safado. Mas até então beleza, esse lance com os corsinhas era uma coisa minha, tipo uma sina, só acontecia quando eu tava sozinho. Quando eu tava acompanhado, sempre vinha uns carros da hora. O problema é que o fardo começou a passar pros meus amigos, e nem a lei do sozinho funciona mais. Dia desses eu contei essa história pro Gustavo, meu dupla, e na manhã seguinte quando ele chamou um táxi, pá!, chegou um corsinha com os pneus carecas. Saí com o Baraldi e o Beto pra ir ao cinema, só tinha corsinha no ponto, claro, e tava caindo um dilúvio desgraçado no dia, e quem disse que o vidro do corsinha desembaçava?? Corrida cega por São Paulo, o cara com a cabeça pra fora tomando chuva na testa pra enxergar o caminho, uma merda. Um brother da pensão me ofereceu carona no táxi que ele tinha pedido até a Vila Olímpia, a moça tinha até confirmado um Meriva bacanão. Foi só eu aceitar, a moça liga de volta dizendo que o táxi que ia atendê-lo teve um problema, mas já estava outro vindo a caminho. Quando chegou... meu, pedi até desculpa pro cara, embora ele não tenha compreendido muito bem. Ferrei dois né? Meu camarada que me ofereceu carona e teve que ir num pau-véio, e o motorista do Meriva, que não tinha nada a ver com a história, mas... maldição é maldição, atinge a todos, sem preconceito de raça, cor, credo ou motorista de táxi.
Isso aliado ao fato de que, quem tá com esses carros agora, estão começando agora tbm, já que é mais barato, compraram usados de outro que comprou um melhorzinho. E tome motorista cabaço espalhado por São Paulo. Dia desses peguei um que era surdo, juro, sem sacanagem! Sabadão, eu indo pro aniversário da Camilla no Rey Castro, parou o famigerado corsinha:
– Boa noite, vamos pra Vila Olímpia, por favor, pra Rua Ministro Jesuíno.
– PRA ONDE???
Pensei "pronto... isso não vai dar certo..."
– VILA OLÍMPIAAA, RUA JESUÍNO....
– AHHHH, VILA OLÍMPIA, NÉÉÉÉÉ? ÉÉÉÉÉ.... O SR. PODER ME DIZER COMO FAZ PRA CHEGAR LÁ? É QUE EU SOU MEIO NOVO...
– Beleza, é só descer a Joaquim Távora, pegar o cebolinha, descer até a Sto. Amaro lá na frente...
– ÃÃÃÃÃNNNNHHH????
– DESCE ALI A JOAQUIM TÁVORA...
– ONDE???
– ALI!!!!!
– AQUI, ESSA AQUI????
– É, LÁÁÁÁÁ, AQUELA LÁÁÁÁ!!!!
– AHHH, ESSA QUE PASSOU????
– ÉÉÉÉ PORRA, ÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉ!!!!
Mano, o cara não teve dúvida: no meio da Vergueiro ele viu que não tava vindo carro do outro lado, só jogou de uma pista pra outra num retorno na contra-mão no meio do canteiro, deu um esquerda-direita na Vergueiro com a Joaquim Távora, tinha uma tiazinha atravessando a Joaquim, meu, se ela não é uma velhinha ninja tinha se fodido: pulou por cima de uma lixeira que tava na rua, perto da calçada, caiu em pé que nem gato do outro lado. E o cara:
– CARAIO, CÊ VIU?? A VÉIA TEM AS MANHA, HEIN....
Foda, muito foda.
E os caras ainda compram o Corsa, 1.0, mete gás natural e ainda instala ar condicionado. Conclusão: dia desses, tava eu no centro resolvendo umas tretas de documento, fui pro ponto, o motorista do corsinha já ficou em posição de sentido. Abstraí e entrei, pedi pra seguir pra Vila Olimpia, onde eu trampo e tentei ficar frio. No meio do caminho, eu sentia uma necessidade IMENSA de ficar frio mesmo, tava um calor desgraçado, eu suando mais que macaco morto a tapas, fechei os vidros e pedi pro cara ligar o ar-condicionado. Galera, cês não vão acreditar: o cara parou perto da calçada, colocou em ponto morto, e na mão que ele apertou o botão do ar, fez um barulhão da porra, o capô abriu e saiu um jegue, de dentro do capô, e começou a puxar o corsinha. Meu, não botei fé, tomei um susto filho da puta e fiquei olhando abismado o jegue puxando o corsinha no meio da 23 de Maio, num pau da porra, 30KM/H!!
– YO SIR... TEM UM JEGUE PUXANDO SEU CARRO???
– SIM SINHÔ, É O BROMÉLIO!!
– MAS MEU SENHOR... É UM JEGUE!!!
– É UÉ, O CARRO É 1.0, MOVIDO A GÁS, O SENHOR PEDE AR CONDICIONADO... SÓ ANDA SE FOR À JEGUE.
– PUTAQUEUPARIU...
E vocês não tem noção people, o cara buzinava e o jegue UUUUUÓÓÓÓÓÓÓ, IIIÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓ, o cara virava o volante pra direita e o jegue próc próc próc pra direita, o cara virava pra esquerda, o jegue próc próc próc pra esquerda, o cara trocava a marcha, saia um chicote SHPÁÁÁÁ SHPÁÁÁÁ no lombo do jegue e o bicho dava um gás... muito lôco!!! Quando a gente chegou, o cara parou, desapertou o botão, o capô abriu e o jegue foi recolhido. Falei "rapaz, como esse jegue saiu de dentro do capô??"
– Ahh doutô, ele fica ali atrás do coletor.
– Mas e o motor??
– Ele fica comprimido ali entre o coletor e o alternador, táintendeno!? Não tem ar comprimido? Então, esse aí é jegue comprimido.
– Mas isso aí é o que?? O senhor que adaptou foi?
– Naaada, isso aí é Technologia JegThrônica®, coisa de alemão...
– Hmmmm...
Desencanei, paguei, atravessei a rua e fui pro trabalho. Pena não ter uma máquina pra tirar foto na hora.
Ahh, se após vocês lerem esse texto e só aparecer corsinha pra vocês também quando chamarem um táxi, deixo aqui meu sincero pedido de desculpas. Abrax!

4 comentários:

Gilberto C. Barros - Diretor de Arte disse...

NUM É VERDADI TIM???

VERDAAAADIIII !!!

Gilberto C. Barros - Diretor de Arte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz "TIM" Ernani disse...

Ué... quem comentou e retirou?

Lexotânica disse...

Eu tô visualizando o jegue sair do capô. Não é bem uma cena muito bela de se ver, mas ok, em se tratando de carro 1.0, qualquer coisa que o leve pra frente tá valendo.